Educação Especial e Inclusiva: as novas demandas do campo educacional

23 de abril de 2019 0 min

Por Mara Rúbia Muniz Monteiro, coordenadora do Curso de Educação Especial e Inclusiva. 

Incluir e garantir igualdade de oportunidades é um dos fundamentos de uma democracia e um dos alicerces de uma educação democrática. Incluir significa respeitar e conviver com as diferenças, garantindo que não haja discriminação ou segregação de um determinado grupo de pessoas decorrente de características específicas. A educação inclusiva é um dos comprometimentos da sociedade em garantir igualdade e direitos a todos os cidadãos.

A Declaração de Salamanca (1994), a qual o Brasil é signatário, instituiu internacionalmente um pacto entre países para se comprometerem com a garantia de uma educação para todos, com uma estrutura específica para a educação especial. Nesse acordo já havia indicações de que a educação especial deveria tornar-se uma educação inclusiva, ou seja, alunos que foram historicamente segregados por suas especificidades deveriam ser incluídos no sistema educacional básico.

Tratar da educação especial a partir de uma abordagem inclusiva, significa pressupor que qualquer pessoa pode ter algum tipo dificuldade no processo de aprendizado e que tais necessidades não devem ser tratadas como problemas, mas como diversidades. Nesse sentido, a educação inclusiva é pautada também por princípios como respeito, igualdade e solidariedade.

O Plano Nacional de Educação (PNE) 2014-2024 (LEI N° 13.005/2014) também firmou compromissos e metas voltados especificamente para a educação especial e inclusiva. O art. 8ª, § 1º, III, afirma que os entes federados devem prover estratégias que “garantam o atendimento das necessidades específicas na educação especial, assegurando o sistema educacional inclusivo em todos os níveis, etapas e modalidades” (BRASIL, 2014).

Sendo assim, cabe aos sistemas educacionais, escolas e profissionais da educação garantirem também uma estrutura que integre e acolha os alunos com necessidades especiais. A educação inclusiva é aquela que está pronta a atender diferentes processos de aprendizagens que, por isso mesmo, demandam diferentes metodologias de ensino.

O profissional da educação necessita, então, de uma formação continuada, que lhe apoie e ofereça mecanismos didáticos para lidar com as novas demandas da sociedade. Os sistemas educacionais cada vez mais demandarão profissionais capacitados para lidarem com as necessidades postas. Incluir pode ser um desafio, mas a experiência e a capacitação de um bom profissional podem ser a chave para uma sociedade mais justa e com oportunidades iguais para todos através da educação.


ALONSO, Daniela. Os desafios da Educação inclusiva: foco nas redes de apoio. Nova Escola. Disponível em: . Acesso em: 21/01/2019.
BRASIL. Lei n° 13.005/2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. Brasília: Congresso Nacional. Disponível em: . Acesso em: 21/01/2019.
ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Declaração de Salamanca: sobre Princípios, Políticas e Práticas na Área das Necessidades Educativas Especiais. Disponível em: . Acesso em: 21/01/2019.

Comentários